Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Liberdade de Escrita

A Liberdade de Escrita

De tudo um pouco...

Caso aconteça alguma coisa a algum cliente como é que se prova se o fantasma não aparecer? Espero que o proprietário e o fantasma mantenham uma boa convivência. A empresa Ultraviolet é crente ou sabe como ganhar dinheiro! Já estava com saudades de ler as curiosidades que por aqui públicas. Aqui no Brasil, um juiz inocentou um acusado de assassinato com base em uma carta psicografada. Tem gente que nasceu para ser do contra, não interessa exatamente contra quê ou quem, interessa é ser do contra. Vim espreitar e encontrei um post! Interessante a informação que nos dás. Eu fui fumadora durante muitos e longos nãos, agora passei a fumadora passiva; tento fazer o possível por fugir a essa doença silenciosa que é a osteoporose! Lá mais para o Outono irei mandar uma "Minie" não fumadora. Sempre poupas algumas moedas e o ambiente ficará mais saudável.

Será que vamos ter a OTAN na Guerra do Iraque?! Não basta os que já lá estão?

Continuamos hoje a rubrica sobre um dos arquipélagos de Portugal, Os Açores. Hoje com a analise da ilha de Ilha das Flores

A ilha das Flores é o Mais Ponto ocidental do Arquipélago e da Europa. A sua superfície é de 143,11 quilómetros quadrados.

A ilha foi oficialmente descoberta por volta de 1452, por Diogo de Teive e seu filho João de Teive.

Em 1470, Guilherme Van der Haegen, fidalgo flamengo, iniciou no Vale da Ribeira da Cruz uma curta experiência de povoamento, mas o afastamento da ilha e a falta de ligações regulares por barco, que permitissem a exportação da planta tintureira chamada Pastel para a Flandres, levaram-no a abandonar a ilha poucos anos depois.

Inicialmente foi designada por Insula Corvi Marini, depois Ilha de São Tomás. A ilha tomou o seu actual nome devido à abundância de flores, por volta de 1475.

Sobre a orientação do capitão João da Fonseca de Évora é retomado, a partir de 1504, o povoamento definitivo da ilha com colonos do reino, muitos vindos da Terceira, alguns ainda da Madeira.

Esta ilha apresenta expressões artesanais muito ricas e de diversas origens.

Os delicados bordados de renda, as mantas tecidas nos teares rudimentares, os decorativos objectos feitos de conchas coloridas, são testemunhos de uma tradição que se mantém. De uma transparência poética, as flores de miolo de hortênsias são peças preciosas feitas por hábeis mãos.

Apesar do seu afastamento das restantes ilhas do Arquipélago, as Flores mantêm no seu folclore a tradição comum das danças e cantares típicos do Arquipélago.

Em termos gastronómicos, a ilha detém famosas receitas de carne e peixe, que se podem dizer “Açorianas” por estarem presentes em todo o Arquipélago, as Flores oferecem a sopa de agrião, inhame com linguiça, o cozido de porco, os molhos de dobrada, feijão com cabeça de porco, bolo no tijolo, caldeirada de congro e pasteis de ervas marinhas. Não faltam também os caranguejos, as cracas e as lapas apanhadas nos rochedos batidos pelo mar.